Eu estou aqui por você

Sinopse: Depois de ficar desesperada com a notícia que o amor da sua vida está no hospital entre a vida e a morte, Katherine acaba sofrendo um acidente e ficando em comaNo coma, quem diria que a sua alma iria encontrar com a de Harry? Mas uma notícia pode mudar complemente tudo, inclusive seu futuro.
             Bom gente, essa Fanfic não é interativa, ou seja, os personagens são fixos. Ela é uma short de capítulo único bem pequenininha e no enredo da história há frases da música do Ed Sheeran Pothograph  e Thinking Out Loud. Se vocês quiserem ler a história ouvindo elas, vão conseguir ter o mesmo sentimento que eu tive quando escrevi essa história.
Obs: Ela não é na categoria de nenhuma banda ou fandom, são apenas nomes aleatórios que eu escolhi pra representar os personagens principais. (hahaha) 

PS: A atualização de Três junhos em Londres sai na segunda feira. 





Londres: Quinta-feira; Oxford street: 15h30 da tarde.


"Amar pode doer às vezes, mas é a única coisa que eu sei

Quando fica difícil

Você sabe que pode ficar difícil às vezes

É a única coisa que nos mantém vivos"

- Harry! - foi tudo o que conseguiu dizer com todo aquele caos. Implorou os deuses e a todas as coisas que ele voltasse. Que ele não a deixasse aqui, com todas aquelas pessoas que não se importavam com absolutamente nada.

Implorou pra Deus que ele abrisse os olhos e enxergasse o mundo, como ele realmente era.

O mundo colorido, que eles gostavam de ver, ou a praia quando estava com aquele sol radiante, até mesmo os saltos de paraquedas.

- Ele vai ficar bem! – sua mãe dizia em sua volta, assim como todas aquelas pessoas que estavam naquela sala verde claro e pálida do hospital, que não tinha vida, que só havia apenas a morte.

- Eu preciso do Harry! – Ela gritou entre o choro. Correu em direção aos elevadores, abrindo a porta. Talvez aquele movimento tivesse sido um erro, a única coisa que sentiu foi seu corpo cair, e cair, e cair e depois uma dor impenetrável passar pelo seu corpo, só ai tudo ficou escuro como a noite.

"Nós mantemos este amor numa fotografia

Nós fizemos estas memórias para nós mesmos

Onde nossos olhos nunca fecham

Nossos corações nunca estiveram partidos

E o tempo está congelado para sempre"

Tudo era leve, igual ao vento. Nada pesava, a não ser suas roupas. Era um corredor vazio, deserto, não havia ninguém a não ser ela mesma. Onde estava? Caminhou até uma sala aonde vinha um barulho de pessoas falando, outras chorando. Quando se aproximou e encostou-se à quina da porta, viu todos os seus familiares chorando. Sentiu o desespero percorrer pelo seu corpo inteiro, tinha morrido? Não poderia ser... Depois de um segundo, virou a cabeça para o corredor dos elevadores, viu policiais, peritos, uma multidão e um caos em volta daquele corredor. Seu coração doeu e o pânico tomou conta de si mesma, então correu, e correu, em direção a outra sala, então viu a si mesma. Ali, na cama sendo sustentada por vários aparelhos que provavelmente faziam com que continuasse ali.

Estava quase morta.

Naquela cama não havia ninguém a não ser um corpo pesado e frio. O seu eu, estava ali, confusa e desesperada, mas ninguém poderia ouvi-la a não ser ela mesma.

Sentou-se no do corredor frio e deserto, abraçou os joelhos e tornou-se a chorar. O que faria agora? Porque estava ali? Porque poderia ver o seu corpo? Nunca tinha imaginado que por apenas um impulso, poderia entrar em um elevador que nem mesmo estivesse ali, talvez o desespero fizesse essas coisas com a gente, fizesse nós mesmos se perdermos no meio do caos, fizesse a gente vagar por ai, sem nada a não ser com a sua própria alma.

- Kath? – Ouviu uma voz, que parecia muito perto mais mesmo assim distante. Conhecia aquela voz, era ele, o seu Harry. Tirou as mãos dos olhos para enxergar o menino à sua frente. O que ele fazia ali? Por um momento, desejou que não fosse ele, porque se fosse, significaria que estivesse na mesma situação que ela, morto ou pelo menos quase.

- Harry? – Arregalou os olhos, o mesmo sorriu indo em sua direção, sentando-se no chão frio ao seu lado.

A primeira coisa que Kath fez, foi abraça-lo tão fortemente que talvez, se estivessem em um corpo humano, doeria tanto que poderia quebrar seus ossos.

Mas não eram humanos, eram apenas almas perdidas.

- Você morreu? – A menina disse, entre as lágrimas que saíam do seu rosto. O garoto beijou seus cabelos, colocando o queixo em sua cabeça para aninha-la ainda mais em seus braços.

- Ainda não. – sussurrou ele.

- Mas a minha mãe disse que você...

- Ela estava mentindo Kath, ela viu o seu desespero, ela teve medo por você. Você não soube, e olha a situação que está agora? – O rapaz sussurrou, Katherine engoliu o seco.

- Eu não me importo, se eu estiver com você. Eu corro a situação de todos os riscos se isso dizer que eu sempre estarei ao seu lado, eu não posso te ver partir ... Você não pode arrancar o meu coração. – disse entre as lágrimas.

- Eu sempre estarei com você. – ele disse a ela. Katherine deu um sorriso.

- Eu sei disso.

- Porque você tá aqui Harry? Você morreu? – Perguntou, mas por um segundo preferiu que ele não respondesse, tinha medo da resposta.

- Eu estou na mesma situação que você. Estamos em coma, Kath. – O rapaz respondeu, Katherine engoliu o seco.

- Há quanto tempo você está aqui? – perguntou a ele. Harry deu um suspiro.

- Há três meses.

"Então você pode me guardar no bolso

Do seu jeans rasgado

Me abraçando perto até nossos olhos se encontrarem

Você nunca estará sozinha

Espere por minha volta para casa"

Sentiu mais uma pontada no seu coração, como se a cada letra que ele tinha dito, fizesse seu coração ficar ainda mais destruído. Sua mãe não havia contado absolutamente nada pra ela, desde que ela tinha ido fazer provas pra tentar entrar em Havard, há três meses.

- A minha mãe não me disse nada. Eu tentei te ligar, dava caixa postal, eles tinham dito pra mim que o seu celular tinha sido roubado, e que você mandava dizer que me amava ou sentia saudades. Eu nunca imaginei... Eu sinto muito.

- Você não poderia fazer nada amor – Harry a aconchegou em seu peito, enquanto a garota chorava.

- Você acha que vamos sair dessa? – ela perguntou. Harry engoliu o seco, não sabia como dar aquela notícia a ela, talvez Deus ainda desse o tempo o suficiente pra ele dizer, mas não agora, não era a hora certa ainda.

- Eu tenho certeza que a minha garota que tem dois pés esquerdos, vai acordar logo, vai ver o sol nascer na praia e pular de paraquedas enquanto estuda pra se tornar uma das maiores médicas que o mundo já conheceu. – Ele deu um sorriso, Kath saiu do seu colo pra olha-lo.

- E você? – Katherine perguntou. – Você vai ser o cantor mais famoso do mundo. – riu.

- Eu não me importo de conquistar o mundo, se eu já conquistei a única pessoa que importa. – Ele disse a ela, Katherine deixou uma lágrima rolar, então ele encostou seus lábios nos dela, ninguém, nem mesmo a morte poderia fazê-lo esquecer daquele beijo, nem da sua risada quando descobria algo novo, e nem do seu abraço que era tão apertado, mas tão grande ao mesmo tempo, e que ela tinha certeza que poderia alcançar o mundo inteiro.

- Vem, vamos da uma volta comigo. – Ele pegou em sua mão, para levanta-la. Harry colocou um dos seus braços em sua cintura, a guiando para um lugar longe dali, onde não havia nem morte e nem mesmo a dor, onde não tinha um ar tão escuro, como uma noite sem estrelas.

"Amar pode curar

Amar pode remendar sua alma

E é a única coisa que eu sei

Eu juro que fica mais fácil

Lembre-se disso em cada pedaço seu

E é a única coisa que levamos conosco quando morremos"

- Você está pronta pra fazer o que as almas fazem? – Harry perguntou a ela, quando chegaram na cobertura do hospital, Katherine arqueou as sobrancelhas ainda não entendo no que ele queria dizer com aquilo. Harry sorriu segurando a sua mão.

- Você confia em mim? – ele perguntou, Katherine deu um sorriso.

- Com todo o meu coração. – respondeu.

Então ele segurou em sua mão com mais força, e pularam. A primeira coisa que passou pela cabeça de Katherine era cair e cair, mas logo depois seu corpo flutuou e sentiu o vento passar pelo seu rosto. Estava voando! Aquilo não poderia ser real, ou era?

Podia ver as pessoas que agora pareciam formiguinhas lá de cima, pela primeira vez, teve uma sensação que poderia agarrar o mundo inteiro.

"Então você pode me guardar no bolso

Do seu jeans rasgado

Me abraçando perto até nossos olhos se encontrarem

Você nunca estará sozinha"

Estavam na ilha que sempre gostavam de ir, quando iam pra casa de praia dos pais de Harry. Aquele lugar tinha tantas lembranças especiais.

Tinha dado seu primeiro beijo com Harry ali quando eram crianças.

Tinham brincando ali por tantas vezes,

Tinham contado histórias ali,

Tinham se declarado um para o outro ali.

Tinham feito uma fogueira enquanto assavam marshmallow e dormiam sob as estrelas ali.

Tinham tido sua primeira vez ali, cheia de amor, cheia de Harry.

Tinham sido felizes ali. E se tivessem um lugar pra lembrar, lembraram-se daquele lugar.


"E se você me machucar, tudo bem querida

Apenas as palavras sangram

Dentro destas páginas, apenas me abrace

E eu nunca te deixarei ir"



- Tantas lembranças... – Katherine sorriu, enquanto caminhava pela areia da praia, que agora era calma por causa da noite.

- Tantas coisas, que eu nunca vou poder explicar o quanto eu te amo. – Harry disse.

- Porque o nosso amor não se mede. Não se explica, apenas se sente. – Katherine colocou suas mãos em seu peito, olhando pra os olhos verdes que tanto amava.

- Eu nunca vou amar ninguém, como amei você. Nunca vou poder explicar a ninguém, do quanto foi feliz ao seu lado. – Harry colocou os dedos nas bochechas rosadas da menina.

- Você foi a melhor coisa que me aconteceu . Eu nunca vou te deixar.

- Mas ás vezes, precisamos ir Kath. – Harry disse a ela. Kath arqueou as sobrancelhas, ainda não entendendo a que ponto ele queria chegar.

- No o que você está falando Harry? – Katherine perguntou, Harry suspirou e depois encarou a menina que tanto amava, que agora tinha os olhos assustados. Sabia que tudo tinha um plano de Deus, mas aquele tinha sido imenso e nunca poderia dizer o quanto estava grato por está aqui esta noite.

Katherine olhou nos olhos de Harry, ele não precisava dizer nada, a resposta estava em seus olhos.

"E você poderia me colocar

Dentro deste colar que você usou

Quando tinha 16 anos

Perto do seu coração onde deveria estar

Mantenha isso no fundo de sua alma"

- Eu estou aqui por você Kath. – Ele deu um sorriso fraco, enquanto via uma lágrima solitária cair pelo seu rosto. – Eu não pertenço mais a esse mundo. E quando eu descobri isso, foi como se o meu coração estivesse sido destruído porque eu nem ao menos, tive tempo de me despedir da pessoa que eu mais amo neste mundo. Então Deus permitiu, que a minha alma ficasse tempo o suficiente aqui pra mim te dizer que ninguém nunca vai amar você, como eu te amei.

- Você não pode me deixar – A menina se jogou em seus braços, colocando os braços em volta do seu pescoço, tentando não se esquecer de nenhum traço do seu corpo nem ao menos do seu cheiro, mesmo sendo apenas uma alma, ele ainda era ele.

- Eu estou aqui por você, Kath. – ele repetiu novamente, e Katherine assentiu com a cabeça, várias e várias vezes, querendo acreditar que aquilo era um sonho, e que a qualquer momento iria acordar e ele estaria ali, bem na sua frente.

- Posso te pedir uma coisa? – ele sussurrou em seus ouvidos.

- É claro que sim. – A garota soluçou.

-Se lembra quando dançamos Thinking Out Loud bem aqui? Sobre as estrelas enquanto assávamos marshmallow na fogueira no seu aniversário de dezoito anos?

- Eu nunca iria me esquecer. – A garota sorriu, limpando as lágrimas.

Harry olhou pra casa, e para o sistema de som que ficava na varanda, que poderia ser ouvido pela praia inteira, de repente o radio começou a tocar, e Katherine podia ouvir a canção daquele dia que nunca iria se esquecer.

- Como você fez isso? – A garota arqueou as sobrancelhas, Harry riu enquanto a abraçava colocando suas mãos em seu quadril, dançando conforme a música.

- Vamos dizer que os  camaradas lá do céu, são meus amigos. – ele riu e Kath colocou as mãos no pescoço de Harry.

 - Então tudo isso foi um plano? – A menina perguntou, enquanto dançavam em baixo do céu completamente estrelado.

- Você nunca pode dizer que Deus não é bondoso, porque ele é. Ele me deixou estar aqui está noite. Ele me deixou esperar você.

- Você ficou aqui, sozinho durante três meses só por uma noite comigo? – A garota perguntou, Harry assentiu. - Eu não me importaria de ficar um dia, ou um mês e quem sabe um ano, se eu tivesse a esperança de te ver pela última vez.

- Eu não sei se consigo continuar, se você não estiver ao meu lado Harry. O que vai ser de mim? - A garota engoliu o seco, deixando que o desespero tomasse conta de si. Estava ali agora, com o amor da sua vida, mas quando o sol nascesse tinha certeza que ele não estaria mais ali.

- Você vai pra faculdade, vai encontrar alguém te ame assim como eu te amo, ou quem sabe mais ainda. Você vai ser feliz, eu tenho certeza disso e não importa onde você esteja eu sempre estarei ao seu lado.

A garota negou com a cabeça, e depois tornou a olhar para o namorado.

- Eu posso ir pra faculdade, posso até tentar ser feliz, só não diga que alguém vai me amar como você me ama. Eu não acredito nisso, e não quero acreditar. Eu só quero que uma pessoa me ame, eu só preciso de você. – o abraçou com mais força.

- Eu sei. – ele sussurrou contra o seu pescoço.

- Eu nunca poderia ter escolhido alguém que cuidasse tão bem do meu coração, como você cuidou. Você não sabe o quão eu sou grata por você ter sido o meu vizinho, de ter se esbarrado naquele dia comigo, quando éramos crianças por causa da chuva. Você não sabe o quão eu sou grata por você ter sorriso pra mim e me ajudado com as correspondências, você não sabe o quão eu sou grata por você ter virado meu melhor amigo, você não sabe o quão eu sou grata por termos crescido juntos, por você ter feito eu me apaixonar perdidamente por você, não sabe o quão eu sou grata por ter passado todos esses anos ao seu lado. – disse ela entre os soluços

- Você não sabe o quão eu sou sortudo por você ter se esbarrado comigo naquele dia chuvoso, por eu ter sorrido pra você, de ter virado seu melhor amigo, por ter crescido ao seu lado e acima de tudo, ter conquistado o seu coração.

- Você promete que nunca vai me deixar por inteiro, que sempre vai está comigo, aonde quer que eu esteja? – Kath perguntou a ele.

- Eu não preciso prometer algo que já está com você. – ele sorriu. – Eu estou aqui por você Kath, eu nunca vou ir embora, mesmo que você não me veja. Eu estou aqui por você.

Então a garota o abraçou enquanto chorava em seu ombro. Sentia-se tão segura em seus braços, ele era como se fosse seu porto seguro, mas na verdade ele era o seu porto seguro, tinha certeza disso. Harry se afastou um pouco, para olhar em seus olhos. Assim que conseguiu, colocou as mãos em seu rosto e viu os olhos verdes marejados da menina, então deu um sorriso.

- Toda vez que você ver o sol nascendo na janela, sou eu, dizendo a você que a sua vida continua, sou eu dizendo que a sua vida vai ser tão clara e tão cheia de vida, como o sol lá fora. E acima de tudo, vai ser eu dizendo que eu estou aqui por você.

- Eu sei disso, eu nunca duvidei. – Katherine disse olhando em seus olhos.

- Eu vou acordar amanhã, quando você não estiver mais aqui? – A garota perguntou com a voz falha, Harry apenas assentiu.

- Tudo isso foi um plano de Deus Kath, quando o sol nascer, você vai poder seguir sua vida como você sempre seguiu – ele explicou. Kath engoliu o seco

- Você vai sair daquele hospital, vai se formar, vai ser uma das melhores médicas que o mundo já conheceu e vai ser feliz, e vai viver a vida o máximo que você conseguir, você vai conhecer cada canto do mundo, vai rir, vai dar gargalhadas e acima de tudo, vai deixar ás pessoas que estiverem perto de você perceber que a sua vida é moldada em felicidade, eles vão perceber que você tem um brilho, que ninguém jamais poderia ter, que não importa o que aconteça, a sua felicidade sempre vai prevalecer, até nos momentos mais difíceis. – ele falou sincero, Katherine assentiu e sorriu.

- Eu prometo, com todo o meu coração. Por você. Ninguém nunca vai me fazer sentir como você me fez sentir. Você foi um presente de Deus que eu jamais vou poder pagar. Eu te amo, Harry. E eu vou te amar a cada segundo da minha vida, eu vou te amar até a minha morte. Eu prometo.

- Você sempre vai ser o meu maior presente, nunca se esqueça disso. – Ele pegou em sua mão, e depois encostou seus lábios nos dela.

Depois de um tempo, sentaram na areia para ver o sol que a qualquer momento iria nascer no horizonte e quando o fizesse, ele iria embora. Nunca mais iria ver o seu sorriso, ou a ouviria a sua voz, ele não iria mais surpreende-la com mais uma música que ele tinha escrito, ela nunca mais o veria, só teria sua lembrança em seu coração, mas de certa forma era grata por está ali com ele, estava grata por pelos menos se despedir e dizer todas as coisas que algumas pessoas jamais tivera a chance de dizer. De certa forma, tinha sorte.

- Quando o sol aparecer na sua janela, sou eu, dizendo que eu estou aqui por você. Nunca se esqueça disso. – ele sorriu, acariciando uma das suas bochechas, Kath sorriu.

- Eu não esquecerei.

* * *

Quando Katherine abriu os olhos, a primeira coisa que viu foi o teto embasado. Piscou várias vezes até focar alguma imagem na sua frente, sua mãe e sua melhor amiga Alice estavam ali, olhando pra ela com um semblante aliviado.

A amiga foi até ela, pegando na sua mão e depois sorriu.

- Você está aqui. – ela disse, Katherine sorriu.

- Sim eu estou. – respondeu, vendo que estava em um quarto do hospital, diferente do lugar que tinha visto ela mesma no dia anterior.

- O que aconteceu? – Katherine perguntou, a mãe veio até ela com um sorriso no rosto.

- Quando você entrou no elevador, ele não estava lá. Você caiu no fosso e bateu com a cabeça. Por milagre de Deus, era apenas um metro e meio e a queda não foi tão grande assim. Você ficou em coma induzido, mas nessa manhã o seu quadro se estabilizou, parecia um milagre, o médico disse que se tudo ocorrer bem, sábado mesmo você pode ir embora. – ela explicou, Katherine assentiu sorrindo fraco.

- Bom eu vou dizer ao médico que você acordou. – A mãe disse, pegando a bolsa e saindo do quarto deixando apenas Katherine com a melhor amiga.

Alice pegou na mão da amiga e sorriu fraco.

- Está com dor? – Ela perguntou, Katherine negou com a cabeça.

- Kath, eu preciso te dizer uma coisa... Mas por favor, seja forte. – A amiga disse com os olhos assustados, Katherine assentiu mesmo já sabendo o que era.

- Os pais do Harry decidiram desligar os aparelhos hoje da manhã, pouco antes de você sair do coma e apresentar melhoras. Eu sinto muito. – A amiga disse a ela com os olhos tristes.

Katherine respirou fraco, depois pegou na mão da amiga.

- Você pode me deixar sozinha um minuto? – perguntou, a amiga assentiu.

- Qualquer coisa você chama – ela disse, saindo do quarto.

"Quando eu estiver longe

Me lembrarei de como você me beijava

Embaixo do poste de luz da 6ª rua

Ouvindo você sussurrar pelo telefone

Espere por minha volta para casa"

Katherine levantou da cama, colocando os pés no chão. Foi caminhando em passos lentos até a janela, subiu na poltrona e olhou para a janela, onde o sol ainda estava nascendo.

Ela não poderia ter uma vida moldada a dinheiro, não poderia conquistar o mundo, mas tinha ganhado o melhor presente que a vida pudera lhe dar, o único que tinha valido a pena, o único que a tinha feito sorrir, o único que tinha feito ela ter um motivo para continuar. Ela o amava, não só agora, mas até a sua morte. Sorriu e fechou os olhos deixando que todas as lembranças voltassem, lembrou-se do rosto de Harry e do seu sorriso, enquanto dançavam sob as estrelas.

- Eu também estou aqui por você, Harry.


[...]

N/a: Oi gente linda! hahaha. O que vocês acharam dessa história? Vocês gostaram dela assim ou preferiam do jeito interativo? (O que da pra escolher o nome dos personagens). Eu até ia botar ela na interativa, só que como é uma fic pequena e de capítulo único eu não vi a necessidade e também queria ver se vocês gostavam dela assim.
Vocês reparam também que isso é um "conto" né? Está bem fora da realidade hahaha, mas sair um pouco da realidade não custa nada né?
Espero que vocês tenham gostado, se sim, deixa um comentário aqui em baixo, se lembrem que autora aqui, morre de felicidade. ♥
Um beijão bem grandão!



4 comentários:

  1. Yashhhh você já pensou em escrever um livro?
    tens muito talento, inicialmente quando li "sinopse" achei que fosse resenha de um livro!
    O teu conto ficou lindo.. gostei dessa parte muitooooooo;
    "Nós mantemos este amor numa fotografia
    Nós fizemos estas memórias para nós mesmos
    Onde nossos olhos nunca fecham
    Nossos corações nunca estiveram partidos
    E o tempo está congelado para sempre"

    Continue assim, você vai longe <3
    Um dia quero poder comprar um livro teu.
    Sucesso e parabéns
    http://www.blahoestraich.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aaah lisi sua linda, obrigada! ♥
      Esse trecho é da música Photograph do Ed sheeran, é linda né?
      Que bom que você gostou, hahaha um dia eu espero autografar esse livro tá?
      Comentários assim me deixam tão feliz que você nem tem ideia!
      Um beijo e obrigada ♥

      Excluir
  2. Adorei! Como disse a colega acima, acho que você deveria realmente investir em escrever um livro. Já conhece o apk WattPad ou o side do mesmo? Lá se poder criar vários livros, já vi pessoas acabarem lançando seu livro através do WattPad. Você tem futuro ♥
    Beijão
    http://www.quintagaveta.com/

    ResponderExcluir
  3. Meu Deus menina, como você escreve bem! Também escrevo fanfics, mais geralmente as minha são com meus ídolos. Posto todas no Social Spirit, Já amei o seu blog ♥

    Um beijo guria || crazyformadrid.blogspot.com

    ResponderExcluir